fbpx

Estudo mostra a evolução dos aplicativos de mensageria entre usuários

Uma pesquisa realizada pela Mobile Time, em parceria com a Opinion Box, mostrou uma reviravolta na evolução dos aplicativos de mensageria por celular. Em fevereiro, por exemplo, o Facebook Messenger vinha caindo na aceitação dos usuários, instalado em 69% dos aparelhos móveis pesquisados. Hoje, ele sobe para 79%, assim como a proporção de utilização diária: de 63% para 66%. O WhatsApp permanece líder, funcionando em 98% dos celulares — no mesmo quesito, o Instagram subiu de 65% para 72% em 6 meses, enquanto o Telegram elevou de 13% para 19%.

Falando de WhatsApp…

Dentre os canais monitorados, o WhatsApp é o aplicativo que os usuários mais utilizam para se comunicar com as marcas. Antes mesmo da adoção da versão Business para contas corporativas, ele já era utilizado para comunicação com clientes por milhares de marcas e empresas de pequeno porte. Entre os MAUs (sigla em inglês para “usuários ativos mensais”) da plataforma, 76% entendem que ele é um canal adequado para tirar dúvidas com marcas — e 60%, para receber suporte técnico. Ou seja, é o app mais bem visto pelo consumidor brasileiro para essas duas finalidades.

Ele já tem, inclusive, força para absorver o mercado de SMS, hoje está nas mãos das operadores de celular — e é utilizado por bancos, bandeiras de cartão de crédito e alguns varejistas. Em um levantamento sobre a preferência de receber avisos por WhatsApp e SMS, as respostas ficaram em 83% e 17%, respectivamente. Lembrando que essa migração de plataformas apenas não ocorreu por conta do preço: é 10 vezes superior ao SMS corporativo! O alto preço cobrado pelo WhatsApp, nesse caso, é uma estratégia para evitar o spam no canal.

Instagram

Como mencionado, no último semestre o Instagram teve crescimento expressivo na instalação do aplicativo. Quando se fala em uso diário (ou quase todo dia) do app, o percentual foi de 84%, mesmo número da última análise. A grande diferença para esse aplicativo ocorre quando o assunto é vendas e marketing, áreas onde ele se destaca dos demais. Para ter uma ideia, 72% dos usuários consideram o Instagram como melhor plataforma para receber promoções (maior percentual entre os canais analisados).

E ele também é unânime na percepção dos usuários em relação à compra de produtos: 63% preferem a plataforma para suas aquisições. Um outro ponto analisado foi sobre a rejeição do usuário em receber comunicação das marcas. Enquanto o WhatsApp 8% não gosta de ser incomodado, no Instagram esse número cai para ínfimo 1%.

Facebook Messenger

Até fevereiro passado, a popularidade do Facebook Messenger caía gradativamente. O relatório apontava que o app estava presente em 69% dos smartphones de internautas brasileiros, seu mais baixo patamar na série histórica desta pesquisa. Nesse novo levantamento, no entanto, ele subiu 10 pontos percentuais — está presente em 79% dos aparelhos dos usuários pesquisados no Brasil. A proporção de usuários que abrem o app todos os dias (ou quase todos) também subiu: foi de 62% para 66%

Um dado interessante levantado nessa plataforma foi o aumento na publicação dos stories: se antes eram apenas 17% dos usuários utilizando o recurso mensalmente, dessa vez o número saltou para 23%. Muito provavelmente essa tenha sido a solução para a recuperação do app. Como canal de comunicação entre usuário e plataforma, o Facebook Messenger ficou com a pior colocação: 13% dos usuários ativos mensais consideram o canal inadequado para essa finalidade.

Telegram

Ao invés de afastar os brasileiros da plataforma, a polêmica do hackeamento dos celulares de autoridades impulsionou o Telegram nos últimos meses. O número de usuários brasileiros com o aplicativo no smartphone subiu de 13% para 19% em relação ao último levantamento. Essa foi a primeira vez que houve um crescimento da plataforma acima da margem de erro na pesquisa.

O destaque do app ficou sobre as mensagens de áudio: ganhou 11 pontos percentuais. Foi um salto de 42% para 53% entre os usuários ativos mensais. Tal qual o Instagram, o índice de rejeição do Telegram para a comunicação com as marcas é de apenas 1%.

SMS

Em seis meses, a popularidade do SMS entre os internautas brasileiros — que enviam mensagens todos os dias ou quase todo dia — caiu de 27% para 22%. Pior: aumentou de 43% para 51% a proporção que declara que nunca (ou quase nunca) envia mensagens pela plataforma. Por conta disso, reduziu de 59% para 51% a proporção de pessoas que diz receber SMS todo dia ou quase todo dia — e subiu de 13% para 20% os que se dizem não receber (ou quase nunca) mensagens via SMS.

Pagamento via WhatsApp

O recente anúncio do Facebook de criação de uma criptomoeda (Libra) e de uma carteira digital, a Calibra, reacendeu as expectativas de que o WhatsApp inclua uma funcionalidade de pagamentos no futuro, como já ocorre na Índia. O recurso tem grande atratividade entre os brasileiros: 56% dos usuários ativos mensais do WhatsApp dizem que gostariam de realizar pagamentos e transferências de dinheiro por meio do WhatsApp.

A proporção é ainda maior entre homens (62%) do que entre mulheres (50%). O interesse em transformar o WhatsApp em uma carteira digital tem mais aderência entre os mais jovens — 59% dos usuários com 16 a 29 anos de idade gostariam desse recurso. O percentual cai para 56% no grupo de 30 a 49 anos e para 50% entre aqueles com 50 anos ou mais. Perguntados sobre qual seria a fonte do dinheiro para pagamentos via WhatsApp, 47% dos interessados no recurso dizem optar por uma conta bancária virtual criada dentro do próprio app de mensageria.

A proporção é maior entre os usuários das classes C, D e E (50%) do que entre aqueles das classes A e B (41%) — provavelmente porque muitos dos primeiros hoje são desbancarizados. Outros 30% dos usuários mensais ativos interessados preferem associá-lo à conta bancária atual, enquanto 23% a um cartão de crédito.

Por Giuliano Gonçalves

fonte: E-Commerce Brasil

Deixe uma resposta